Tal como podes ler ou reler aqui, o primeiro fim-de-semana do Rock in Rio contou com a presença de bandas e artistas como MUSE, Anitta, Demi Lovato e Bruno Mars, que levaram ao Parque da Bela Vista, cerca de 125 mil visitantes.

O segundo fim-de-semana do festival acabou de terminar e é inevitável dizer que o Rock in Rio abandonou  quase por completo a sua origem – ser um festival de Rock – apostando atualmente nos artistas que mais vendem a nível nacional. No último fim-de-semana, todas as atenções estavam voltadas para o dia 30, que contava com as norte-americanas Hailee Steinfeld e Katy Perry, e a britânica Jessie J, que já tinha marcado presença na edição de 2014 do Festival.

Ivete Sangalo foi a “não-surpresa”, a veterana do Rock in Rio demonstrou que a música brasileira continua a conquistar grandes públicos e conseguir reprovar o seu talento, competência, sensualidade e humildade.

Queres ir a um festival ou concerto com a maior segurança ou conforto? A ALA Viagens é a melhor escolha! Com a ALA viajas até ao local do concerto ou festival acompanhado por uma equipa fantástica, sempre disponível para ajudar. Podes conhecer mais sobre o trabalho da Ala Viagens aqui.

Hailee Steinfeld apresentou-se como a mais nova do cartaz, essa juventude representa também pouca experiência. O concerto da artista resumiu-se à apresentação dos seus hits – nomeadamente o tema ‘Flashlight’ que a lançou para a fama com o filme ‘Pitch Perfect 2’ e que é originalmente interpretado por Jessie J – fazendo com que o concerto durasse apenas meia hora. Após a derrota de Portugal contra o Uruguai, jogo que influênciou os horários de algumas atividades, Jessie J subiu ao palco com um respeito enorme pelo país e o povo luso que corresponderam a todas as expectativas da intérprete. Com uma voz e performance irrepreensível, Jessie J, a nosso ver, apresenta-se como uma das grandes vozes e performers do nosso tempo, mas com uma dose avantajada de talento e humildade.

 

I got asked last night “How do you sing LIVE like that every night – Don’t you get tired or bored of singing” *Deep breathe* I said – “I call myself a singer. I should be able to sing and sing LIVE. As good as, if not better than the recording. I grew up listening to Etta, Whitney, Amy, Lauryn, Aretha. They don’t / didn’t mime. So why should I? To make it easy? Nah. That’s not how I do what I do. I wouldn’t enjoy it if every show was like ground hog day. I understand and respect why other people mime. But that’s not who I am as a performer. I like to change the runs and change it each night a little. Makes it REAL. I take pride in what I do. I sing every note LIVE because I have to FEEL IT. I don’t know how to feel it any other way. If I personally lip synced or mimed, yeah it would help my voice stay on 100 all the time because my songs are hard to sing, and of course my voice gets tired, but I wouldn’t feel it. I have to feeeeel it. I can’t sing songs with such honest and real lyrics and mime. I just can’t. So I practice. I care. I make sacrifices and I look after my voice and my energy so I can do my show LIVE. I love what I do! I want to improve every show! I want to give my fans what they deserve. I was sanging my soul out last night. I gave the crowd what they were giving me. EVERYTHING!” ❤ Shouts to my amazing band / team / crew. But most of all the heartbeats, everyone who came and showed me so much love. Last night was special. I am so grateful for my life! Hands down one of my favourite shows I have EVER done! Thank you @rockinriolisboa 🎇🎇🎇 My new album R.O.S.E. is OUT NOW 🌏 | Link in bio 🌹

Uma publicação partilhada por J E S S I E . J (@jessiej) a

Seguiu-se Katy Perry, a americana com raízes lusas, conseguiu provar ao público que todas as críticas sobre as suas atuações ao vivo não são justificadas. Utilizando um pouco do seu humor – que a caractetiza – Katy Perry realça ao público (que ainda tivesse dúvidas) que é mesmo ela, provocando alguns risos na plateia.

Se vocês se estão a perguntar quando é que a Katy Perry vai subir ao palco… Bem, sou eu… Mas com um novo corte.

A cantora conseguiu dar um concerto competente, animado. Talvez se possa dizer que foi o mais completo de todos os concertos do festival mas tal não significa que tenha sido o melhor. Neste espetáculo viu-se de tudo: desde aliens a vestidos extravagantes. Na minha perspetiva, e pondo de parte todas as minhas preferências musicais, o melhor concerto da edição de 2018 do Rock in Rio Lisboa foi o da Jessie J.

Podes ver ou rever o vídeo realizado pela nossa equipa no nosso canal na Instagram TVaqui.

Com o patrocínio – não influenciador – de: Ala Viagens, Lyx Pro, Hama e Beachtek