O Tuga POP esteve presente no Festival da Canção 2017 e partilha consigo a sua experiência.

Portugal parou com a abertura das portas do Coliseu dos Recreios. Ouviam-se os primeiros acordes pelas 21:15h do dia 5 de Março de 2017, o começo de uma noite mágica e o regresso do maior evento de musica em Portugal – o Festival da Canção – inovado e com algumas mudanças, mas o que não mudou foi, claro, os talentos que por aquele palco passaram.

Chegamos a Lisboa a conhecer pouco da cidade e da visão que alguns dos seus visitantes tinham da mesma. Mas, a estadia no Lisbon Poets Hostel permitiu à nossa equipa conhecer um pouco da multiculturalidade e da dinâmica que parecem caracterizar a capital.

Após uma pequena visita pela cidade, seguimos para o Coliseu dos Recreios, onde uma multidão esperava ansiosamente para entrar na sala onde seria escolhido o novo representante português para o Festival Eurovisão da Canção. De facto, o Festival da Canção 2017, que apesar de longo, consegue conquistar a nossa atenção e relembrar os bons momentos do Festival. Após duas semifinais que desapontaram o público português, que expressou o seu desagrado nas redes sociais, a RTP conseguiu criar uma gala onde relembrou e recriou não só os melhores momentos do Festival, como também os da estação pública.

Passando por medleys e homenagens a algumas das grandes figuras portuguesas que conquistaram um lugar em diversas áreas, o Festival cumpriu uma das suas promessas: renovou-se.  Com um inicio bastante diferente daquilo a que estamos habituados, o Festival conseguiu criar, através da tecnologia, uma evolução no tempo do certame, energia conseguida graças à apresentação de Sílvia Alberto, Filomena Cautela e Catarina Furtado, que mantiveram uma postura bastante enérgica e alegre ao longo das quatro horas de programa.

 

Jorge Benvinda foi o primeiro a subir ao palco, onde interpretou o tema ‘Gente Bestial’, seguiu-se Pedro Gonçalves que, com o tema ‘Don’t Walk Away’ conseguiu conquistar a plateia. Lena D’Água encheu a arena de energia. Já Salvador Sobral, que mais tarde se tornaria no mais recente representante de Portugal na Eurovisão, entrou em palco com visíveis dificuldades físicas, que pareceram não afetar a sua interpretação, levando assim o público ao rubro. Seguiu-se Fernando Daniel que pareceu estar bem mais confiante e forte do que na primeira semifinal, onde o próprio confessou que não tinha corrido como pretendia. Sobe ao palco Celina da Piedade, com um vestido diferente, mas a mesma energia. A arena encheu com a voz de Deolinda Kizimba que interpretou novamente o tema ‘O que vi nos meus sonhos’ de Rita Redshoes. Por último, foram as vozes dos vencedores do televoto que pisaram o palco: Viva La Diva apresentaram-se em palco com uma força inigualável, conquistando assim o coração dos portugueses.

Catarina Furtado, uma das  apresentadoras principais do Festival e entrevistada do Tuga POP, afirma que não consegue escolher um tema de todas as edições, adicionando que o que distingue esta edição do Festival foi a importância das redes sociais, onde todos puderam participar e partilhar conteúdos relativos ao mesmo, tendo criado assim um movimento que permitiu uma adesão ao Festival absolutamente fascinante!

Pode ver a entrevista de Catarina Furtado abaixo:

Numa gala onde o trabalho da RTP foi homenageado, não tendo sido esquecidas as conquistas e dificuldades pelas quais a estação televisiva passou. Entre homenagens e discursos, ficou destacado o papel da SIC e da TVI que, sendo estações televisivas privadas, vieram permitir o investimento e desenvolvimento da televisão portuguesa, sendo ela privada ou pública.

Por esta altura, começa a viagem pelo nosso país, onde as diversas zonas do país distribuem pontos com a escala 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 10 e 12 pelos participantes. À semelhança do que ocorreu na primeira semifinal, o tema ‘Amar pelos Dois’ composto por Luísa Sobral, recebeu a pontuação máxima por parte do júri. Já Viva La Vida recebeu essa mesma pontuação mas através do televoto. Esta viagem ao território nacional, ficou conhecida pela participação de várias caras conhecidas, nomeadamente Vânia Fernandes, que representou Portugal em 2008 e Filipa Sousa que representou Portugal no Festival da Eurovisão 2012.

Após a confirmação da vitória de Salvador Sobral, viveu-se um momento especial no Coliseu dos Recreios, onde o intérprete partilhou o palco com  a sua irmã, Luísa Sobral, proporcionando um momento ainda mais único do que o próprio tema. Salvador tem a garra, Salvador tem a diferença e talvez, quem sabe, a vitória no bolso…

Portugal participa na primeira semifinal do Festival Eurovisão da Canção, que decorrerá no dia 9 de Maio, em Kiev.

Autoria de: Rosária Gonçalves e Maria João Silva